quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Você tem certeza que está na profissão certa? EU TENHO!

Postado por Gabriela Amorim às 20:03

Como ultimamente ando "atarefada" com as questões da formação profissional, com as duas pós graduação que estou finalizando, acabo sem tempo de atualizar meus blogs (que tanto amo) que são um belo exercício de prática de registro e de estímulo a escrita. Mas sempre que posso, eu visito e volto a ler algo que postei há algum tempo. Por esses dias, estava lendo (e ainda estou, leitura formiguinha, cada dia um pouquinho) sobre portfólios e pude perceber o quanto ser professor nos permite que a cada dia aprendamos algo sobre nossa profissão, sobre as crianças, seu desenvolvimento e sobre o quão fascinante é ter a oportunidade de fazer tudo diferente a cada dia, a cada ano e a pensar, juntamente com os "por quês" que as crianças trazem, como é lindo esse movimento de se auto questionar!
Estava observando nos posts sobre os portfólios que já montei juntamente com as crianças, no projeto "Será que Voa?" no primeiro semestre do G5B/2012 e no segundo semestre do mesmo grupo/ano e do portfólio do ano passado, com o projeto "Animais da Fazenda" com o G6A e pude perceber como esse ano me sinto mais a vontade para trabalhar por saber o que devo e como devo prosseguir, ou seja, focando sempre nas curiosidades dos pequenos e deixando eles sempre com gosto de querer saber mais, que rendem momentos de imenso prazer pela descoberta com o projeto "G7A No Mundo dos Dinossauros".
É importante destacar que trabalhar por projetos e com portfólios não é algo simples e prático! Dá trabalho!  Muito trabalho! Muitas vezes é preciso comprar brigas por conta das "cotas de xerox", da "divisão dos cadernos entre os dois turnos", da "escassez dos materiais escolares" e do "foco por vezes excessivo" em propostas que focam as datas comemorativas e anulam os projetos de sala por dias seguidos. Mas também é um momento de arregaçar as mangas, lutar por aquilo que se acredita, buscando por uma EDUCAÇÃO PÚBLICA E DE QUALIDADE e seguir em frente! Hora de buscar parceiros para a impressão das cópias extintas pela cota de xerox, de parceiros para baratear as impressões de fotos (tendo em vista que raramente as instituições de ensino possuem impressoras coloridas e que as fotos revelam um lindo movimento da educação infantil), de convencer as famílias (a cada novo dia) sobre a importância de materiais escolares diversificados e de qualidade para enriquecer o trabalho da sala de aula, da necessidade de participação dos mesmos na contribuição dos materiais escolares ou pelo menos na arrecadação da APP.
É uma luta árdua, principalmente quando se trata de turmas integrais, com diferentes profissionais trabalhando nos turnos, profissionais esses com formação diferentes da nossa, com diferentes faixas de idade, com problemas de saúde ou problemas familiares. Por isso, sempre costumo afirmar que a teoria me ensinou que é LINDO trabalhar o mesmo projeto em tempo integral, mas a prática me ensinou que é HUMANO trabalhar diferentes projetos: cada período com seu foco, sua rotina, seu material (seja ele portfólio ou pasta de atividades). O ano de 2013 me ensinou que trabalhar o mesmo projeto não é sinônimo de estar trabalhando em equipe! Mas com o ano de 2014 aprendi que trabalhar projetos diferentes não significa que não se possa trabalhar junto, pensar e planejar em conjunto! 
A vida é isso, é um se permitir conhecer, possibilitar fazer escolhas e sobretudo a cada dia se perguntar se aquilo que se faz como trabalho é algo que se faz COM  e POR amor!
Esse post era para ser apenas uma frase de efeito no Facebook, como uma resposta a uma crítica recebida indevidamente e de forma descontextualizada, mas serviu sobretudo como uma reflexão pessoal, de forma que eu tenha percebido que SIM, eu TENHO CERTEZA que estou na profissão certa, pois FAÇO O QUE AMO, AMO O QUE FAÇO e principalmente sei fundamentar TEORICAMENTE cada uma de minhas ações planejadas, pois estudei e continuo estudando para isso!

Ensinar me faz feliz!

3 comentários:

Vitor Hugo Lopes Paese on 7 de agosto de 2014 21:42 disse...

Muito legal!!!

Prof. Carol on 8 de agosto de 2014 16:12 disse...

Gabriela, a escrita e a reflexão fazem parte do cotidiano do professor. Bom ler seu registro e sua análise sobre o fazer, pensando alternativas, visualizando o que já deu certo, o que não deu, quais são as dificuldades e como buscar alternativas para realizar o trabalho, mesmo diante de tantas adversidades. Sugiro a leitura do livro A roda e o registro, de Cecilia Warshauer, caso ainda não tenha lido.

Gabriela Amorim on 8 de agosto de 2014 19:09 disse...

Oi Vitor! Que bom te receber por aqui!

Oi Prof. Carol! Obrigada pelo comentário e pela sugestão do livro! Com certeza assim que finalizar as leituras que estou no momento, buscarei essa referência!

Postar um comentário

 

Minhas Memórias Copyright © 2010 Design by Ipietoon Blogger Template Graphic from Enakei